top of page
Buscar
  • nuvlac

Densidade Nutricional dos Lácteos

Promover uma alimentação balanceada e rica em nutrientes é crucial para enfrentar desafios globais de nutrição e segurança alimentar. Priorizar alimentos com alta densidade nutricional, como o leite, é essencial para combater subnutrição, obesidade e desigualdades na distribuição de alimentos. Substituir esses alimentos por opções menos nutritivas pode comprometer a saúde e o meio ambiente. Uma abordagem integrada que valorize a densidade nutricional dos alimentos é fundamental para garantir uma nutrição acessível, equilibrada e sustentável em escala global.



Alcançar a nutrição e a segurança alimentar em escala global é um desafio significativo, dado o aumento populacional e a prevalência de subnutrição, sobrenutrição e desigualdade na distribuição de alimentos. Priorizar alimentos ricos em nutrientes é crucial. A promoção de alimentos com alta densidade nutricional é essencial para uma nutrição balanceada e redução de doenças crônicas não transmissíveis.

Diante do crescente desafio da obesidade, impulsionado pelo consumo excessivo de alimentos com baixo teor de nutrientes, torna-se ainda mais crucial enfatizar a importância da qualidade nutricional relacionada com o aporte de energia. Isso implica não apenas atentar para a quantidade de calorias consumidas, mas também priorizar alimentos que ofereçam uma gama diversificada de nutrientes essenciais, como vitaminas, minerais e proteínas de alta qualidade.

O fácil acesso e baixo custo dos alimentos ultraprocessados podem contribuir para a prevalência de obesidade e doenças crônicas entre pessoas de baixa renda. No Brasil, o fenômeno do "duplo ônus da má nutrição", caracterizado pela coexistência de desnutrição e excesso de peso, apresenta desafios significativos para os sistemas de saúde pública e agroalimentares.

A adoção de uma abordagem que priorize alimentos e bebidas com alto valor nutricional, identificados por meio de um sistema cientificamente validado de perfil de densidade nutricional, é crucial para planejar dietas saudáveis. O conceito de densidade de nutrientes é proposto como uma estratégia que considera a qualidade global dos nutrientes. Essa abordagem também é empregada para avaliar numericamente a qualidade dos nutrientes em alimentos específicos dentro da análise de perfil nutricional, definindo-se como a quantidade de nutrientes específicos contidos em uma porção padrão de alimento.

O perfil nutricional envolve a avaliação dos alimentos com base em seu valor nutricional, priorizando aqueles que oferecem mais nutrientes em relação ao valor energético. Modelos de perfil nutricional calculam o teor de nutrientes por 100 g, 100 kcal ou por porção de alimento, sendo transparentes, baseados em 12 dados acessíveis e validados em comparação com medidas independentes de uma dieta saudável. Eles consideram nutrientes benéficos como proteínas, fibras, vitaminas e minerais, enquanto restringem o consumo de açúcares, gorduras saturadas e sódio.

Os lácteos são reconhecidos como alimentos de alto valor nutricional devido à sua composição e matriz alimentar favorável, oferecendo uma variedade de nutrientes essenciais como cálcio, proteínas de alta qualidade e vitaminas. Além disso, sua capacidade de hidratação e o fornecimento de nutrientes emergentes como probióticos os tornam essenciais para a saúde preventiva em várias partes do mundo.

As orientações dietéticas frequentemente enfatizam apenas certos nutrientes nos alimentos lácteos, como cálcio e vitamina D, negligenciando outros, como vitaminas A e zinco, que são criticamente subconsumidos e poderiam combater a desnutrição. O leite é fundamental na oferta global de nutrientes essenciais, destacando sua importância nutricional.

A importância nutricional do leite é destacada pela dificuldade em encontrar substitutos adequados. Alternativas vegetais geralmente têm menor teor de proteína e menor biodisponibilidade de aminoácidos e, mesmo fortificadas com cálcio, apresentam absorção reduzida devido a problemas de solubilidade e digestibilidade. Além disso, substituir o leite pode exigir maior ingestão de energia, potencialmente afetando negativamente a saúde. As alternativas também podem não reproduzir outros benefícios associados ao leite, como a promoção de hidratação, facilitação da recuperação após exercícios físicos e influência positiva no equilíbrio do microbioma intestinal.

A avaliação da biodisponibilidade dos nutrientes é crucial, e os produtos lácteos são reconhecidos por apresentarem uma biodisponibilidade satisfatória de nutrientes, devido à sua alta absorção no trato gastrointestinal, facilitada pela composição específica do leite e seus derivados.

Considerando aspectos nutricionais, econômicos e culturais, substituir o leite seria um desafio adicional, já que é amplamente consumido em todo o mundo, sendo parte integrante de muitas dietas tradicionais e modernas, devido à sua praticidade, mínima necessidade de processamento e facilidade de transporte, armazenamento e preparo.

Estudos sobre nutrição acessível destacam que o leite e seus derivados são opções econômicas para obter cálcio, enquanto frutas se destacam como fonte acessível de vitamina C. Apesar das preocupações ambientais, a abordagem nutricional questiona a substituição do leite, pois sua pegada de carbono é relativamente baixa em comparação com sua densidade nutricional. Substituí-lo por opções menos nutritivas pode resultar em aumento das emissões totais de gases de efeito estufa relacionadas à dieta.

Conclui-se que, diante dos desafios de nutrição e segurança alimentar globais, a promoção de uma alimentação balanceada e rica em nutrientes é crucial. Priorizar alimentos com alta densidade nutricional é fundamental para enfrentar a subnutrição, obesidade e desigualdade na distribuição de alimentos. A avaliação do valor nutricional dos alimentos, considerando também sua pegada ambiental, destaca o papel vital dos produtos lácteos, como o leite, na oferta global de nutrientes essenciais. Substituir esses alimentos por opções menos nutritivas pode comprometer não apenas a nutrição adequada, mas também ter impactos negativos na saúde e no meio ambiente. Portanto, é essencial adotar abordagens integradas que valorizem a densidade nutricional dos alimentos, garantindo uma nutrição acessível, equilibrada e sustentável para todas as pessoas em escala global.


Referências


COMERFORD, Kevin B.; MILLER, Gregory D.; BOILEAU, Amy C.; SCHUETTE, Stephanie N. Masiello; GIDDENS, Janice C.; BROWN, Katie A.. Global Review of Dairy Recommendations in Food-Based Dietary Guidelines. Frontiers In Nutrition, [S.L.], v. 8, n. 1, p. 1-10, 25 maio 2021. Frontiers Media SA. Disponível em: http://dx.doi.org/10.3389/fnut.2021.671999. Acesso em: 09 fev 2024.

 

DREWNOWSKI, Adam; FULGONI, Victor L. Nutrient density: principles and evaluation tools. The American Journal of Clinical Nutrition, [S.L.], v. 99, n. 5, p. 1223-1228, maio 2014. Elsevier BV. Disponível em: https://dx.doi.org/10.3945/ajcn.113.073395. Acesso em: 10 fev 2024.

 

MILLER, Gregory D.; DREWNOWSKI, Adam; FULGONI, Victor; HEANEY, Robert P.; KING, Janet; KENNEDY, Eileen. It Is Time for a Positive Approach to Dietary Guidance Using Nutrient Density as a Basic Principle. The Journal of Nutrition, [S.L.], v. 139, n. 6, p. 1198-1202, jun. 2009. Elsevier BV. Disponível em:  https://dx.doi.org/10.3945/jn.108.100842. Acesso em: 10 fev 2024.

 

SILVA, Isabele Torres Arguello; SILVA, Paulo Henrique Fonseca da Silva. A densidade nutricional dos lácteos. Milkpoint, 2023. Disponível em: https://www.milkpoint.com.br/colunas/ppgctldufjf/a-densidade-nutricional-dos-lacteos-235791/. Acesso em: 07 fev 2023. 

 

SMITH, Nick W.; FLETCHER, Andrew J.; HILL, Jeremy P.; MCNABB, Warren C.. Modeling the Contribution of Milk to Global Nutrition. Frontiers In Nutrition, [S.L.], v. 8, n. 716100, p. 1-7, 13 jan. 2022. Frontiers Media SA. Disponível em: https://doi.org/10.3389/fnut.2021.716100. Acesso em: 10 fev 2024.

 

WAWRZYNIAK, Natalia; SULIBURSKA, Joanna. Nutritional and health factors affecting the bioavailability of calcium: a narrative review, Nutrition Reviews, v. 79, n. 12, p. 1307 – 1320. Disponível em: https://doi.org/10.1093/nutrit/nuaa138. Acesso em: 10 fev 2024.



27 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page