top of page
Buscar
  • nuvlac

Importância dos Lácteos na Saúde Óssea

Lácteos possuem expressiva relevância na saúde óssea, proporcionando benefícios aos humanos na infância, adolescência, vida adulta e em idosos. É de suma importância uma ingestão adequada de leite e seus derivados para uma vida longa e saudável.


Os produtos lácteos, bem como o leite fluido, possuem expressiva relevância na saúde óssea, proporcionando benefícios aos humanos na infância, adolescência, vida adulta, e também em indivíduos idosos. Primeiramente, vale ressaltar que o Ministério da Saúde recomenda o aleitamento materno exclusivo até os seis meses, entretanto, o leite integral pode ser oferecido antes desta faixa etária, caso a diluição do mesmo seja feita adequadamente, e com auxílio de um nutricionista capacitado. Tanto o leite, quanto seus derivados, são importantes agentes preventivos da osteoporose, risco de fraturas, e decomposição óssea. Devido à complexidade da matriz nutricional do leite e derivados, tanto com relação aos seus macros, mas também aos seus micronutrientes, é de grande valia fazer consumo desse grupo de alimentos em todas as fases da vida, a fim de prevenir problemas ósseos e garantir um crescimento adequado.

As crianças encontram-se em fase de crescimento, formação óssea e dentária, além do desenvolvimento neurológico. Logo, o leite e derivados possuem papel crucial nessa fase, pois possuem micronutrientes de grande notoriedade no crescimento (cálcio, fósforo, zinco, ferro, magnésio e vitaminas A, B, C, D e ácido fólico). Além disso, destacam-se também pelo seu alto teor de proteínas de Alto Valor Nutricional (AVN), contribuindo significantemente para um crescimento saudável.

Já na adolescência, (fase que compreende dos 10 aos 19 anos, segundo a OMS) caracteriza-se por um crescimento abrupto acompanhado por um aumento das necessidades energéticas. Nesta fase, carências nutricionais em proteínas, vitaminas do complexo B e minerais como o cálcio, podem comprometer o desenvolvimento neurológico, físico e hormonal. Neste período, o consumo de lácteos é extremamente bem-vindo, sobretudos os produtos enriquecidos com proteínas, por serem práticos, palatáveis, e fazerem grande sucesso entre o público adolescente. Nos últimos anos, observou-se um expressivo aumento de adolescentes consumidores destes produtos, sendo essa a faixa etária que mais usa suplementos derivados do leite, como whey protein.

Na vida adulta (período que vai dos 19 aos 65 anos incompletos, segundo a OMS), a fase de crescimento já não é mais uma preocupação, mas sim a manutenção da saúde óssea. É por volta dos 30 anos que o pico de massa óssea é alcançada, e nesta fase, é de suma importância que os requerimentos nutricionais de cálcio continuem a ser ofertados, para evitar as perdas de DMO ao longo da vida. É necessário, também, garantir a homeostase óssea, prevenir a osteoporose, risco de fraturas, e auxiliar na conservação ou ganho de massa muscular. Além disso, a ingestão de lácteos pode contribuir em outros aspectos importantes à saúde, como no controle da obesidade, diabete mellitus tipo 2, doenças cardiovasculares e manutenção de faixas adequadas de colesterol. Por isso, há grande necessidade de continuar a consumir leite e derivados adequadamente durante a vida adulta.

Nos idosos, o envelhecimento provoca uma série de alterações fisiológicas e consequente aumento das necessidades de nutrientes no organismo, principalmente o ácido fólico, cálcio, vitamina B6, vitamina B12 e zinco. Os mais velhos, que sofrem com fraturas e osteoporose, tem sua independência diminuída, e aumentam a necessidade de cuidado em tempo integral em instituições, representando um aumento de gastos relacionados a problemas de saúde (em caso de instituições públicas), e maior chance de abandono desses indivíduos.

Nesta idade, o leite é interessante devido à sua densidade nutricional, contribuindo para nutrição adequada, e prevenção da desnutrição. Além disso, devido a esse grupo de alimentos terem texturas, comumente mais tenras, a mastigação é facilitada, auxiliando na digestão e diminuindo o risco de engasgos. A elevada quantidade de proteínas de AVN no leite são importantíssimas entre os anciãos, pois podem ajudar a manejar/tratar a sarcopenia (condição em que há perda de massa muscular, devido ao avanço da idade). O leite fluido é um alimento muito aceito e de grande aderência pelo público idoso, pois é amplamente disponível, saboroso e de baixo custo. É possível atribuir este fato devido à razão de que os idosos utilizam mais os serviços de saúde, portanto, recebem mais orientações, incluindo as que incentivam o consumo deste alimento. Outra possível explicação é que, geralmente, idosos mais velhos tendem a morar sozinhos e, pela praticidade, podem substituir refeições principais por lanches, aumentando a ingestão de leite e derivados.

A fim de ressaltar a importância desta temática entre o público idoso, um estudo realizado com 7195 participantes, residentes de casas geriátricas, observou resultados apreciáveis no que tange a saúde óssea de idosos. O consumo de leite, iogurte, queijo, e demais derivados (todos ricos em proteínas, e cálcio), mostraram resultados de redução da perda de massa óssea, e aumento da proteína IGF-1. Esta proteína é produzida no fígado, e envolve-se no desenvolvimento da musculatura, manutenção dos níveis de glicose no sangue, redução dos níveis de gordura corporal, e diminuição do estresse oxidativo.

Vale ressaltar o alto teor de cálcio absorvido pelo organismo, contido no leite e derivados. Um copo de leite integral de 200ml, contém, aproximadamente, 240 mg de cálcio, representando aproximadamente de ⅙ da recomendação diária de cálcio, segundo o Dietary Reference Intake (DRI), de 1997.

É importante citar que mesmo em casos de intolerâncias e sensibilidades ao leite, não há necessidade de excluir os lácteos da dieta. Existem diversos alimentos no mercado “livres” de lactose (com a lactase já adicionada), como iogurtes, o próprio leite fluido, leite desnatado, leite condensado, creme de leite, queijos, creme de ricota, requeijão, lácteos fermentados, entre outros.

Indivíduos que ingerem aportes adequados de gordura, proteínas, cálcio, magnésio, zinco e potássio (todos contidos em quantidades apreciáveis no leite e derivados), possuem menor proporção de desenvolver problemas relacionados à saúde óssea. Existe também uma forte relação de vitamina D e cálcio, de forma que a vitamina D auxilia na absorção desse mineral. O consumo diário de leite está associado com a maior saúde mineral óssea do fêmur total e do colo femoral em homens com idade inferior a 50 anos, e melhor saúde da espinha lombar. Além disso, foi observado que o consumo de leite na pós-menopausa, de 2 a 6 vezes por semana, melhora a saúde mineral óssea e os riscos de osteoporose são diminuídos.

Um estudo realizado em 2018 questionou aos consumidores de lácteos qual era a importância do leite, e a maioria das respostas foi: “O leite é importante, sobretudo no crescimento, fortalecimento ósseo, e possui capacidade de prevenir osteoporose.” É possível notar, portanto, que há um conhecimento popular já disseminado acerca da expressiva relevância de lácteos e seus derivados na DMO (Densidade Mineral Óssea) e prevenção a osteoporose.

Portanto, a partir dos estudos analisados, foi observado uma associação positiva entre o consumo de leite e seus derivados na densidade óssea, redução do risco de fraturas, controle de peso, e prevenção de doenças crônicas. Logo, é de suma importância que exista uma ingestão adequada e diária de leite e seus derivados para uma vida longa e saudável.



Referências:


BENDTSEN, Line Q. et al. Effect of dairy proteins on appetite, energy expenditure, body weight, and composition: a review of the evidence from controlled clinical trials. Advances in nutrition, v. 4, n. 4, p. 418-438, 2013.


ENHE, Isis R. T.. O papel do leite na nutrição. Revista do Instituto de Laticínios Cândido Tostes, [S.l.], v. 63, n. 363, p. 36-43, dez. 2013. ISSN 2238-6416. Disponível em: <https://www.revistadoilct.com.br/rilct/article/view/56/62>. Acesso em: 12 jan. 2023.


IULIANO, Sandra et al. Effect of dietary sources of calcium and protein on hip fractures and falls in older adults in residential care: cluster randomised controlled trial. bmj, v. 375, 2021.


Kim J. S., et al Milk consumption and bone mineral density in adults: using data from the Korea National Health and Nutrition Examination Survey 2008 - 2011, Korean Journal of Family Medicine 2021; 42: 327-333.


MACDONALD, Helen M. et al. 25‐hydroxyvitamin D threshold for the effects of vitamin D supplements on bone density: secondary analysis of a randomized controlled trial. Journal of Bone and Mineral Research, v. 33, n. 8, p. 1464-1469, 2018.


Ong A. M., et al. Ferment milk products and bone health in postmenopausal Women: A systematic review of randomized controlled trials, prospective cohorts, and case-control studies, American Society for Nutrition; Adv Nutr; 11: 251-265; 2020.


ORDEIRO DE SOUZA, W.; ROZA, I.; SMOLAREK, A. D. C.; MASCARENHAS, L. P. G. .SUPLEMENTOS ALIMENTARES։ QUAL O CONHECIMENTO ENTRE ADOLESCENTES?. RENEF, [S. l.], v. 10, n. 15, p. 66–74, 2020. DOI: 10.46551/rn2020101500040. Disponível em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/renef/article/view/2631. Acesso em: 19 jan. 2023.


PASSANHA, Adriana et al. Caracterização do consumo de leite em idosos. Journal of Human Growth and Development, v. 21, n. 2, p. 319-326, 2011.


RATAJCZAK, Alicja Ewa et al. Milk and dairy products: good or bad for human bone? practical dietary recommendations for the prevention and management of osteoporosis. Nutrients, v. 13, n. 4, p. 1329, 2021.


Rizzoli R, Biver E. Are Probiotics the New Calcium and Vitamin D for Bone Health? Curr Osteoporos Rep. 2020 Jun;18(3):273-284.


RIZZOLI, René. Dairy products and bone health. Aging Clinical and Experimental Research, v. 34, n. 1, p. 9-24, 2022.





23 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page